Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Julho, 2009


1. Estes três tópicos sempre andaram juntos. A cama como via para o poder. A morte, implacável circunstância de renovação do poder ou de afirmação da liberdade.


Não constituem temas exclusivos do passado. A cama e o poder continuam bem apegados, ainda que em conúbio pós-modernista e sob protecção do incontestável direito à reserva da intimidade e da vida privada.


Basta uma leitura rápida dos blogues mais conhecidos para verificar a pertinência do tema no microcosmos insular. Ainda recentemente, a propósito do «caso S. Vicente», Bernardino da Purificação, no Terreiro da Luta, escreveu que, «na Madeira, há uma política de travesseiro que se sobrepõe à política institucional».


O conteúdo de alguns blogues poderá ser fruto da má-língua. Todavia, não devemos ignorar o papel crescente da blogosfera na opinião pública. Igualmente, não é de desprezar esta informação como fonte para a História, daí a importância de arquivá-la ou editá-la em suporte diverso.


2. A cama, o poder e a morte: rainhas e princesas da Europa do Renascimento ao Iluminismo é a mais recente publicação de Bartolomé Bennassar, reputado historiador e hispanista francês (Nîmes, 1929).


Na primeira década do século XXI, recrudesceu o interesse pelas biografias de rainhas e princesas, que tem originado diversos livros e filmes.


No entanto, a obra de Bennassar não se enquadra nessa linha de reconstituição de percursos de vida de altas figuras da aristocracia europeia. Procura, antes, analisar o papel desempenhado por algumas rainhas e princesas nas relações políticas da Europa Ocidental, pelo seu protagonismo ou, principalmente, pela sua importância nas negociações matrimoniais e subsequentes alianças políticas.


O livro tem como objectivo principal um capítulo da condição feminina na sociedade do Antigo Regime, que não se resume à vida faustosa na Corte, mas que explora atentamente os bastidores do poder. Salienta, ainda, o contributo de mais de cem mulheres de sangue real na construção da Europa, se bem que, quase sempre, se assemelhassem a «peões deslocados ao sabor de sucessivas combinações no tabuleiro da grande política» (p. 39).


Em idade núbil, jovens de sangue real ou descendentes da alta nobreza, com uma educação esmerada, entravam, não por sua vontade, no jogo diplomático e político da Europa, através de intrincadas negociações de casamentos que visavam garantir a sucessão das casas reinantes, a segurança entre as nações intervenientes, as uniões dinásticas ou a hegemonia de algumas Coroas. Não tinham o direito de recusar o pretendente útil, mesmo sob a justificação de aspirarem ingressar num convento, porque a razão de Estado tinha precedência sobre a vida consagrada a Deus.


Depois de casadas, quase sempre com menos de vinte anos, o destino imposto exigia-lhes muitos filhos para a sucessão ou para o estabelecimento de alianças estratégicas. Muitas morreram cedo, devido a sucessivas gravidezes e complicações periparto. Outras, porém, alcançaram considerável longevidade, apesar do assédio procriador.


Algumas, pelo seu temperamento, lograram desempenhar papel importante, político ou cultural, inclusive como mecenas. Outras só obtiveram a liberdade ou o poder com a morte dos maridos.


Neste particular, avulta a figura da rainha viúva, mãe do rei, muitas vezes chamada a exercer a regência na menoridade do herdeiro ao trono e demonstrando excelentes capacidades de governação.


Bartolomé Bennassar serve-se de uma linguagem muito expressiva e recorre, por vezes, a pormenores e episódios singulares do quotidiano palaciano, pouco utilizados na historiografia das Casas Reais. Dá-nos, assim, um retrato muito vivo de rainhas, princesas e arquiduquesas, entre a cama, o poder e a morte, chegando a lamentar o infortúnio de algumas: «Pouco se exageraria afirmando que, entre as mulheres dos séculos passados, rainhas e princesas se contam muitas vezes entre as vítimas mais dignas de dó.» (p. 39); «As pastoras decididamente tinham mais sorte.» (p. 251)

 

Diário de Notícias, Funchal, 5 de Julho de 2009

Read Full Post »